Teses, Dissertações e Monografias

Acesse a listagem abaixo para conhecer algumas das teses, dissertações e monografias desenvolvidas pelos alunos de pós-graduação do Departamento de Engenharia de Construção Civil da Escola Politécnica.

A consulta também pode ser feita na biblioteca de Engenharia Civil pelos telefones (11) 3091-5204 e 3091-9023, fax (11) 3091-5125 ou pelo e-mail biblioteca.civil@poli.usp.br.

Para saber o horário e o local das próximas qualificações e defesas, acesse o site Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil – PPGEC. e do ConstruINOVA - Mestrado Profissional em Inovação na Construção Civil.

Para conhecer as diretrizes de elaboração de teses e dissertações clique no link ou acesse o site da Biblioteca Digital.

Importante: a consulta aos arquivos das teses e dissertações fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:

Este trabalho é para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar o nome da pessoa autora do trabalho.

Buscar teses, dissertações e monografias
  • Método para conceber o arranjo físico dos elementos do canteiro de obras de edifícios PDF
    • Aluno: Alexandre Costa Maia
    • Orientador: Ubiraci Espinelli Lemes de Souza
    • Categoria: Mestrado
    • Ano: 2003

    O canteiro de obras é visto, neste trabalho, como sendo uma composição de partes, chamadas de elementos, cada qual com a sua função no sistema produtivo. Esses elementos demandam decisões acerca da sua escolha (entre as várias alternativas disponíveis) e do seu posicionamento dentro do espaço físico do canteiro de obras. Este trabalho concentra suas discussões sobre a "distribuição" dos elementos dentro do canteiro de obras (o arranjo físico), procurando desenvolver um método, para a sua definição, que seja "utilizável" pelas empresas e pelos profissionais de construção de edifícios. O projeto do arranjo físico do canteiro de obras é entendido como um componente da concepção do edifício como um todo. Dessa forma, procura-se inserir as discussões a seu respeito no contexto dos projetos do produto e dos processos de construção, levantando informações a partir dos mesmos. O método apresentado neste trabalho é composto a partir de ferramentas e posturas já propostas por outros autores e da opinião de profissionais gerentes de obras de construção.

  • Urbanização de favela em áreas de proteção de mananciais PDF
    • Aluno: Jane de Souza Silva
    • Orientador: Alex Kenya Abiko
    • Categoria: Mestrado
    • Ano: 2003

    Este trabalho analisa um projeto de urbanização de favelas, onde foi implantado o Programa de Saneamento Ambiental da Bacia do Guarapiranga, localizado na Região Sudoeste da Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). O local selecionado para o estudo é conhecido como a Comunidade Sete de Setembro, instalada numa área de proteção aos mananciais e pertencente à SubPrefeitura de Capela do Socorro. No estudo do referido caso, adotou-se o método denominado Avaliação Pós-Ocupação (APO) que se constitui num conjunto de métodos e técnicas, aplicado em ambientes já construídos e já ocupados. Foi analisado como o usuário se apropriou das benfeitorias promovidas no local e apresentado o grau de satisfação dos moradores em relação às intervenções efetuadas.

  • Método de intervenção para a melhoria da eficiência na execução de revestimentos de argamassa de fachada PDF
    • Aluno: Luciano Luis Ribeiro da Silva
    • Orientador: Ubiraci Espinelli Lemes de Souza
    • Categoria: Mestrado
    • Ano: 2003

    Neste trabalho, propõe-se um método de intervenção na execução de revestimentos de argamassa de fachada, com o objetivo de melhorar a produtividade da mão-de-obra e reduzir o consumo de materiais, segundo princípios de melhoria contínua. A fim de subsidiar este método, são apresentadas informações referentes às diferentes tecnologias e formas de gestão da execução do revestimento. Também são apresentadas e discutidas técnicas de mensuração, diagnóstico e previsão da eficiência na execução desses revestimentos. Na aplicação deste método, verificou-se que, com ações simples e de baixo custo, é possível obter melhorias significativas de produtividade da mão-de-obra e de consumo de materiais.

  • Aderência de argamassas de reparo de estruturas de concreto PDF
    • Aluno: Rafael Moreno Junior
    • Orientador: Silvia Maria de Souza Selmo
    • Categoria: Mestrado
    • Ano: 2002

    A deterioração das estruturas de concreto tem motivado o desenvolvimento de uma série de materiais e procedimentos de recuperação que visam restabelecer as características originais da estrutura e ampliar sua vida útil. Os reparos superficiais de argamassa se destacam devido ao grande volume de serviços que requerem a proteção das armaduras e a reconstituição dos elementos estruturais. No entanto, tanto no exterior, mas principalmente no Brasil, o desempenho dos materiais e das técnicas empregadas neste tipo de reparo é pouco conhecido. Entre as propriedades fundamentais para o bom funcionamento de uma estrutura reparada está a aderência da argamassa de reparo ao substrato de concreto, tanto no que diz respeito aos esforços envolvidos quanto à própria durabilidade do reparo e conseqüentemente da estrutura. Desta forma, a parte experimental desta pesquisa teve como objetivo investigar como a natureza e a proporção dos constituintes de argamassas de reparo estrutural podem afetar a sua resistência de aderência a substratos de concreto de resistência normal, com fck de 20 MPa, 25 MPa e 35 MPa, sendo esta propriedade avaliada por dois métodos de ensaio distintos e sob condições específicas de aplicação e de composição das argamassas. Para tanto, foram realizadas sete etapas experimentais, cada qual com objetivo específico, avaliando separadamente aspectos da trabalhabilidade ou da aderência de argamassas, com as seguintes variações de materiais: a) três||aditivos superplastificantes a base de naftaleno sulfonato de fabricantes distintos; b) cinco cimentos do tipo CPII F 32, de diferentes marcas; c) cinco proporções cimento: agregado miúdo (1:2 até 1:4); d) dois polímeros, poli(acetato de vinila-etileno) e acrílico, e uma cal hidratada do tipo CH-I, em três teores e como adição a um traço ótimo definido pelas etapas precedentes. ) Constataram-se diferenças bastante significativas quanto à capacidade de redução da quantidade de água dos aditivos, sempre apontando a mesma ordem de desempenho, para os cinco cimentos. Quanto aos cimentos, mesmo sendo do mesmo tipo, CPII F 32, suas origens de fabricação diferentes definiram desempenhos distintos para a resistência de aderência à tração, tendo sido possível estabelecer uma marca mais favorável e que foi a usada no prosseguimento da parte experimental. A influência da variação do consumo de cimento, em cinco traços estudados na etapa seguinte, foi analisada em relação a propriedades médias compatíveis com os concretos de substrato, recaindo a escolha pelo traço central, de proporção clássica 1:3. A argamassa de referência, dosada com o aditivo superplastificante, o cimento e o traço selecionados, mostrou resultados muito interessantes, com resistências de aderência elevadas e propriedades mecânicas e físicas adequadas para o uso como material de reparo. Já as argamassas com adições dos polímeros ou da cal não apresentaram melhora significativa na propriedade de||aderência à tração direta e ao cisalhamento na flexão, diante das condições de aplicação e cura utilizadas, salvo determinados teores. Pode-se concluir ser importante prosseguir a investigação da aderência das argamassas de reparo com adições, pela caracterização mais aprofundada da sua reologia no estado fresco

  • Gestão do processo de projeto no segmento de construção de edifícios por encomenda PDF
    • Aluno: Leonardo Melhorato Grilo
    • Orientador: Silvio Burrattino Melhado
    • Categoria: Mestrado
    • Ano: 2002

    Um conjunto de fatores sócio-econômicos tem induzido mudanças pronunciadas na indústria da construção de edifícios, redefinindo as relações funcionais e contratuais entre os agentes do processo de produção. Clientes exigentes, margens de lucro reduzidas, concorrência acirrada, ausência de barreiras de entrada, presença de escritórios estrangeiros e proliferação de cursos de arquitetura e engenharia têm proporcionado um ambiente competitivo de difícil posicionamento estratégico para os escritórios de projeto brasileiros. A despeito da sua representatividade, a construção tem sido usualmente criticada pelo baixo desempenho em relação a outros setores industriais. O processo de projeto tem sido apontado, com freqüência, como uma das causas primárias da ineficiência da indústria, impondo desafios para os escritórios, tais como: o enfoque em serviços, o foco no cliente, a adequação a diferentes sistemas contratuais, a garantia da qualidade e o desenvolvimento de habilidades para conciliar as agendas estéticas, tecnológicas e gerenciais dos empreendimentos. Este trabalho discute os principais sistemas contratuais empregados no país, a integração e o relacionamento entre os agentes e os fatores indutores do desempenho do empreendimento, com o intuito de identificar melhores práticas e propor alternativas para a gestão do processo de projeto de edificações. O método de pesquisa consiste em entrevistas semi-estruturadas, estudos de caso exploratórios e descritivos.||Optou-se pelo emprego de múltiplas fontes de evidência e unidades de análise devido ao caráter multidisciplinar do processo de projeto. ) Os estudos de caso reforçaram as evidências da revisão bibliográfica e permitiram a identificação de tendências para a gestão do processo de projeto e do empreendimento, tais como: falta de integração entre o projeto e a construção; difusão de contratos de preço fixo e métodos de seleção alternativos; demanda por redução do prazo, antecipando o envolvimento do construtor e o início da obra; parcerias e alianças, redefinição dos papéis dos agentes; perda da liderança tradicional do arquiteto e ascendência de construtores e gerenciadores na equipe


Anterior Próximo
    1. . .  71    72    73    74    75    76    77    78    79    80  . . . 157